Thursday, 26 January 2023

Leituras do mês de janeiro/2023

No qual li mais coisa que durante todo o ano de 2022.


Codinome Lady V (Lorraine Heath):
Esse eu já tinha começado a ler antes e parado, e retomei ele no avião. Gente, na minha cabeça não ia ter ceninhas de sexo propriamente dito!! Pra mim era só um romancinho!! Kkkkkkkkkkk achei uma ótima leitura, dentro do que esses livros se propõem a ser: a protagonista eh cativante, o boy é charmoso, as cenas íntimas não são extremamente constrangedoras (mas também não são o cerne do livro). Achei o drama bem colocado, o suficiente pra história andar sem me fazer ficar ansiosa por conta de um livro fast-food.

Spare (Príncipe Harry):
O livro do príncipe Harry. Em um dia eu nem sabia que esse caboclo tinha escrito um livro, no outro eu baixei e comecei a ler. MEU DEUS, QUE BOMBA. QUE LIVRO RUIM. Eu tenho tudo a favor de memoirs sobre a família real britânica (adoro fofocas sobre esse povo), mas esse livro... O ponto dele é que a imprensa britânica destruiu a vida dele (matou a mãe dele e ia fazer com que o mesmo acontecesse com a esposa), algo que eu nem questiono, mas a execução do livro eh TERRIVEL. São quatrocentas páginas contando detalhes que não fazem diferença nenhuma, com humor duvidoso e muitos detalhes que você não queria saber (tudo relacionado a sexualidade ou aos genitais dele eu dispenso). Péssimo, constrangedor, teria sido melhor mandar o decoro às favas e rasgar o verbo contando as fofocas brutas de verdade (príncipe William curte pegging???).

Psicopolítica (Byung-Chul Han):
Ganhei esse de presente da Natália, e me peguei imediatamente seduzida por um livro MINUSCULO! Fininho! Tamanho de bolso! Eu, que me gabava de devorar livros enormes, me senti confortada pela concisão do Byung-Chul Han. Ninguém mais (eu) tem capacidade de atenção pra ler livros de 300 páginas, sabe.
Eu tinha lido um pouco de outro livro dele e foi uma satisfação seguir explorando um pouco mais da filosofia sobre como os novos arranjos do capitalismo destroem a nossa cabeça. 
Entendi tudo? Obviamente não. Concordei com tudo? Acho que não, também. Mas eu tenho preferido ler livros de não-ficção ultimamente (logo eu), e vou lentamente adquirindo mais repertório sobre os Grandes Nomes Intelectuais da História.



A Pediatra (Andréa del Fuego):
Também ganhei esse da Natália, comecei a ler de bobeira e NAO CONSEGUI PARAR porque o livro é pequenininho e envolvente. A narrativa em primeira pessoa me incomodou um pouco, mas achei fácil seguir a personagem. Era pra odiar ela? Cecília é cínica, está cansada e só quer continuar vivendo do jeito que ela tinha organizado, sem gente pra encher o saco, sem pacientes ligando pra ela 3 da manhã. Não é por isso que eu vou julgá-la. E de repente você se vê julgando ela por outras coisas, mas o fluxo de consciência da mulher já te envolveu tanto que não dá pra sentir ranço e largar o livro. Não é um favorito, mas foi um bom emprego do meu tempo.

Daisy Jones and the Six (Taylor Jenkins Reid):
Mais uma vez eu caí no hype da internet e sai prejudicada. Ao contrário de Evelyn Hugo, que eu só não gostei, esse me deixou com raiva, porque tudo o que eu queria era ter a minha própria banda de rock. Aí a mulher vai lá, escreve toda essa história com potencial mas acaba fazendo uma FANFIC DE FLEETWOOD MAC. Com uma protagonista que eh a Evelyn Hugo imitando a Stevie Nicks. Ódio.
A história de amor eu achei uma forçação sem fim. Pra mim era pra ter tido um triângulo amoroso mas só tem mesmo um delírio da autora. A protagonista passa A HISTORIA INTEIRA chapada. As músicas que ela escreve pra banda são boas, tho. 
Nunca mais me falem nada sobre essa Taylor Jenkins Reid que eu cansei de ser decepcionada.

Wednesday, 2 November 2022

Quatro "jogos" pra quem gosta de palavras

Eu sempre gostei de colecionar coisas. Isso se traduz em uma facilidade de encontrar padrões e gostar de ordem. Nesse post eu compartilho, sem nenhum motivo ou lógica, quatro "jogos"com palavras pra jogar com pessoas que são nerds, gostam de palavras, gostam de encontrar padrão nas coisas ou talvez sejam somente um pouco maluquinhas, igual eu.

1: O jogo das palavras terminadas em "eta":
Inventado em uma viagem de ônibus com a escola, em 2007. Eu acho. Existem duas palavras terminadas em "eta" (não é éta, como em poeta, e sim êta, como em caneta) que você pensa automaticamente, mas não vai falar, pois tem caráter sexual. E assim acontece o jogo. Regras: todo mundo fala uma palavra terminada em "êta". Não pode repetir. Se você não souber na sua vez, perde. Se falar alguma das palavras de caráter sexual, perde (ou não). Não vale marca, só se elas forem geralmente aceitas como sinônimo do produto. Não vale palavra estrangeira. E obviamente, não vale usar o dicionário ou o Google.
Exemplos: caneta, camiseta, borboleta, lingueta.

2: O jogo das palavras terminadas em "ete":
Mesma coisa do jogo acima, só que são palavras terminadas em ete. Também tem um (ou dois) termos chulos relacionados a atividade sexual que a gente evita porque fingimos ser pessoas educadas, e a graça é tentar contornar eles enquanto em toda rodada você obviamente vai pensar em responder "boquete". As mesmas regras se aplicam.
Exemplos: camisete, chiclete, Janete

3: Partes do corpo em ordem alfabética:
Inventado numa viagem de carro. Regras: tente esgotar todas as partes do corpo com a letra A que você souber, jogando em grupo e alternando com os parceiros, ou mesmo sozinho. Não vale repetir. Não valem termos em outra língua. Não vale dicionário. Em seguida, a letra B, e daí por diante.
Exemplos com A: antebraço, abdômen, alvéolo, asa do nariz (isso não é um teste de anatomia, e sim de memória, termos populares são aceitos).

4: Ofensas em ordem alfabética:
Um derivado do jogo acima. Já pensou em ofender usando somente uma letra do alfabeto? Mesmas regras. Vale palavrão, vale adjetivos negativos, vale crime ou contravenção, só não vale racismo. Quotando a Desciplopédia - seja engraçado e não apenas idiota.
Exemplos com A: anta, asno, anencéfalo, asinino, antipático, ardiloso, aliciador de menores, analfabeto, apóstata, animal de teta.

Me conta se você já inventou alguma coisa assim, risos.
:*

Monday, 24 October 2022

so long, and thanks for the fish

Há alguns meses escrevi esse post e hoje venho pra contar que pedi demissão do meu emprego público. Ao contrário do que eu pensava (que ia sair de lá igual a Nicole Kidman depois de assinar o divórcio), passei duas semanas extremamente mexida e emocionada - meu último dia de trabalho foi sexta e eu continuo me perguntando se tomei a decisão certa na minha vida. Não teve UMA puta pessoa que me disse que não, entre colegas e clientes, família e amigos, então estou tentando acreditar que a voz do povo é a voz de Deus.
Agora eu recebo dois mil e duzentos reais a menos e sigo um pouco angustiada - com a falta do dinheiro, com a falta da rotina e das atividades profissionais que eu achava que me realizavam. Mas estou mais leve, sim, e olha que ainda não se passou nem uma semana. Não sei o que vou fazer nesse tempo livre - há pessoas que dizem que trabalhar pra mim é opcional agora, o que é uma afirmação completamente... absurda? Perigosa? Sedutora? Há muitas perspectivas e eu não sei qual é a melhor - minha psicóloga que lute junto comigo pensando nisso.
Agora me ocupo lendo coisas pro meu outro trabalho (temporário, mas até quando) e planejando alguns projetinhos de DIY. Também tenho uma viagem marcada em novembro, acredito que vou mudar de casa pra uma maior e espero começar academia em dezembro, mais ou menos a mesma data em que preciso finalizar um capítulo de livro (!!!!!!!!) que me meti a escrever (e aceitaram). Toda essa perspectiva pro futuro é muito mais leve e feliz e eu tenho certa dificuldade de acreditar que isso pode ser a realidade. Enfim.

Me meti a fazer um projeto 100 dias de fotografia. Às vezes atraso pra postar, as fotos são meio bosta, mas acho que é assim mesmo.


 Uma amiga também sugeriu que eu gravasse vlogs da minha nova vida de demitida e eu ri, mas gostei. Sempre quis gravar vídeos, mas acho que os meus são muito ruins. Alguém tem dicas? Eu sou citronemi no tiktik.

Acho que é isso, gente. ♡ bj bj e até

Thursday, 6 October 2022

Os melhores vídeos de rock

Mais uma lista aleatória sobre véios do rock, porque são essas as coisas que ocupam minha cabeça em momentos de lazer.


The Who no Circo do Rolling Stones:

Eu acho que essa deve ser a melhor performance de rock que eu já vi do conforto da minha casa, e olha que o The Who tem três feios no palco. Para a sorte dele, eles sabem o que estão fazendo. Toda vez que eu abro esse vídeo eu não consigo sair dele.

The Who ao vivo em Won't Get Fooled Again

Gravado em filme 35mm, de 1978 pros dias atuais em HD. Acho que essa performance também é hipnotizante, é chocante como ela soa quase igual à versão de estúdio.

The Who num clipe de Who Are You

 Talvez eu goste um pouquinho de The Who, rs. Acho essa muito engraçadinha. UM BEIJO KEITH MOON!!!

O clipe de Somebody to Love do Queen

 Eu gosto muito desse recorta e cola de performances deles (além de amar essa música)

Hammer to Fall no Live Aid

 Simplesmente tão bom que virou filme. Gente, como o Freddie Mercury brilhava!! Menção honrosa pros looks anos 80 de Brian e John e pra performance quase idêntica à versão de estúdio também. MITOS.

Thunderstruck do AC/DC

Eu nem gosto muito de AC/DC,  mas esse vídeo, com a energia do povo em volta, é ótimo. Eu também gosto dos ângulos esquisitos e a qualidade de imagem é top.

Uma versão ao vivo de The Lemon Song do Led Zeppelin

Apesar de não ser um vídeo de performance, eu acho um insulto como essa versão ao vivo (com uma intro de outra música e tudo) É MUITO MELHOR do que a original.

Sunday, 18 September 2022

Almanaque da Emi #5

Eu realmente tenho trabalhado muito, gente, de modo que não tenho muita coisa interessante pra compartilhar nesse blog além dessas listinhas casuais. Love it or hate it here I go again!!!

Lidos

Eu li numa sentada só o "I'm Glad My Mom Died" da Jennette McCurdy, por motivos de: título bizarro e intrigante; capa muito fofinha. Não sabia quase nada dela além de que ela fez a Sam do iCarly (que eu sequer assisti) e que ela tinha se recusado a participar do reboot de iCarly porque tinha atuado a vida inteira contra a vontade. O livro é uma boa autobiografia, e é isso: difícil falar mais sobre a história de uma filha esforçada, devotada e que passou a vida toda sob à sombra de que a mãe fosse levada por um câncer terrível, mas que essa mesma mãe era uma doida. Sinto muito pela Jennette, fico feliz por ela estar bem (é legal ver ela falando sobre o desenvolvimento dos transtornos dela, porque depois ela fala sobre progressos terapeuticos) e torço pra ela ter sucesso nas outras empreitadas dela mesmo sem nem conhecê-la, porque sabe Deus o que eu teria feito se estivesse nesse lugar que ela esteve.

Assistidos

Assisti o anime Cyberpunk Edgerunners da Netflix em uma sentada (rapidinho de ver, mediano, bom pra passar o tempo). Também vi o primeiro episódio de JoJo's Bizarre Adventure e odiei. REVI TOP GUN com Marido (o original, ele nunca tinha visto) e percebi que tinha esquecido toda a historia relacionada a aviões e me focado apenas no romance e na beleza do Tom Cruise nesse filme (hahahahahahahha). 

Links

Não tenho nada pra indicar em especial nessa semana, acho que tudo que chegou ate mim na internet nos últimos tempos foi porcaria. Tempos dificeis.

Ouvidos

MUITO rock progressivo, em particular uma playlist aleatória que o Youtube fez pra Marido, que contém muito Asia. E contrariando a tendência geriátrica para onde caminha meu gosto musical, tive um momento #fã de Måneskin e ouvi em loop Ven'tanni (que desejei poder ir num show e berrar a plenos pulmões) e Zitti e Buoni, minhas favoritas. É isso aí juventude, ROCK!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Jogos

Os mesmos de sempre, Love Nikki, Subeta e Merge Mansion pra passar o tempo (por isso não tenho tempo de fazer nada, desperdiço muito tempo procrastinando em joguinhos).

Hitou

Notícias sem fim sobre celebridades: Leonardo DiCaprio terminando namoro - Justin Bieber morrendo no Rock in Rio - Bandas diversas no Rock in Rio - toda uma treta sobre Harry Styles e Olivia Wilde sobre a qual não poderia me importar MENOS - polêmicas idiotas sobre tuites inofensivos - o falecimento da rainha Lilibet. Tinha simpatia por ela, sim, quer falar mal da Rainha fale aí na sua casa. 

 

 

 

Wednesday, 31 August 2022

Almanaque da Emi #4

Agora a categoria "Coisas que andaram me entretendo" foi rebatizada de um jeito mais bonitinho!!
Não tenho muita coisa bacana pra contar, mas está aqui um balanço das últimas semanas.

Lidos

Livros e artigos sobre psicologia e religião, que eu não serei capaz de sintetizar em um bom trabalho digno de publicação, nem sequer atualizar meu Goodreads. Paciência.

Assistidos

Vi Sandman, mal e porcamente, porque não podia correr o risco de cair numa sessão de bingewatching. E eis aqui a minha opinião sincera: a adaptação me surpreendeu (eu sempre espero que adaptações sejam uma merda), MAS *pausa dramática* eu não faço questão dessa série. Eu amo Sandman, mas sei lá, a HQ tá bom já.
Agora uma série que eu estou fazendo questão É Uma Advogada Extraordinária. Meu deus, simplesmente não prometeu nada e entregou TUDO, no episódio do paciente autista eu já quis sair profetizando sobre a série. Pra quem é fã de novelinhas de garotas, essa é perfeita. PERFEITA!!!!!

Links

Em ritmo de Setembro Amarelo já, esse curso gratuito e aberto de prevenção de suicídio

Ouvidos

Essa semana eu conheci (juro por Deus) Tropicália, do Caetano Veloso. Sério. Se passaram ela pra mim na escola, acho que eu estava dormindo. Ou não passaram, porque nessa cidade onde o vento faz a curva ninguém nem sabe o que é cultura.

Jogos

Gastei muitos dinheirinhos virtuais no Subeta porque não tenho nenhum autocontrole. Perdi horas num evento novo de Merge Mansion. Joguei uma (01) unidade de The Sims. Voltei a entrar na minha conta do Neopets, risos (onde num zap de sorte consegui uma CYBUNNY CHOCOLATE!!!! Que saudade de colecionar avatar)

Hitou

Sandman - um monte de outras séries - série nova do Dragão de Gelo e Fogo lá - pessoas falando mal do Harry Styles - Política

Wednesday, 27 July 2022

O que tem no meu estojo?

Eu sou uma daquelas pessoas que ama objetos de papelaria, e isso tem se convertido em um traço da minha personalidade. Por mais idiota que seja, falar sobre isso e consumir conteúdo na internet sobre isso tem sido extremamente relaxante: pensar sobre e discutir a maciez de uma caneta >>>> ver gente vendendo curso de marketing digital pra engajar a qualquer custo ou passando recibo de virtude em cima de uma manchete desgracenta qualquer.

Então, como esse é meu diarinho, vim aqui apresentar em detalhes os conteúdos do meu estojo de trabalho.
Como eu trabalho em lugares diferentes em dias diferentes da semana, tenho um estojinho com as coisas que preciso no dia-a-dia. Antes ele era daqueles bem fininhos, o que eu achava muito mais prático, mas andei acumulando mais canetas do que o estritamente necessário. O estojo em si foi comprado na Kalunga, uma mistura do mais barato com o mais básico e duradouro, por isso não tem nada de especial.



Canetas:


São quatro esferográficas: A azul, a Compactor Economic 1.0, é da marca a qual sou fiel há mais tempo - mas quase intocada, porque escrevo muito pouco de azul no trabalho. A preta é a Pilot BP-1, minha segunda esferográfica favorita da vida. Depois tem a marrom, uma Tilibra Stilo TX, que também achei muito gostosa de escrever. A roxa é da Faber Trilux, de quem também já fui freguesa, mas atualmente só está aqui por motivos de trabalho - essa cor em especial borra com o passar do tempo, mas é a cor que eu uso especificamente no trabalho. Essa em particular também está falhando, o que eu considero uma excepcionalidade.
Recentemente eu também descobri a caneta-falsificada-da-Muji-de-3-reais-da-Shopee que se tornou meu instrumento de escrita favorito da VIDA: é à prova d'água, escreve bonito e custa TRÊS REAIS na promoção. Às vezes essa preta em específico falha, mas ainda dá pra usar no planner muito bem. A outra é roxa por motivos de trabalho (tenham uma chefe que codifica as coisas com cores).

Lapiseira: Recentemente eu adquiri esse modelo da Pentel que todo mundo tem, e ele é leve e confortável. Meu grafite favorito da VIDA é o 0.5 2B da Pilot (borra, mas tão macio), e tenho esse outro que ganhei de uma colega de trabalho que não usava grafite 0.5.
Lápis: Eu praticamente não uso, mas é bom ter um. Meu atual favorito e provavelmente único que pretendo comprar pra vida, o Staedtler Wopex HB.
Corretivo: Da Tilibra. É barato o suficiente e não é aguado. Saudade da época que corretivo em caneta era uma coisa caríssima e exclusivíssima e a gente se deslumbrava só de pegar em um.
Grifa-texto: Três, porque faz sentido deixar as coisas color-coded no trabalho. A verde eu ganhei do serviço e por isso não é da Faber, a marca que eu simplesmente considero a MELHOR, pois dura pra sempre.
Borracha: Uma da Mercur que tenho desde a época da faculdade. Alguém lembra da história que a borracha preta era melhor que a branca???
Apontador: Faber-Castell all the way. Eu sou da época que as outras marcas não prestavam, e se prestam agora eu não sei, porque estou usando o mesmo apontador da Faber-Castell há dez anos.

Caderninho: Um A6 da Cícero que comprei pra estocar numa promoção muito doida (com cashback de 35%). Era um formato que eu detestava, mas talvez justamente por isso é um formato ótimo pra escrever despretensiosamente e fazer rabiscos.


Me chamem pra ir na papelaria testar caneta. É isso flw vlw  

PS: percebam que usei muitas vezes a expressão “favorito da vida” nesse post. Esse é meu jeitinho: obcecada e muito confortável com minhas ferramentas de escrita perfeitas!!